Após começar o jogo perdendo por 14 a 0, New England consegue virar o placar e entra no último quarto da partida vencendo por 27 a 14. Precisando reagir, Josh McCown conduz uma boa campanha para os Jets que termina com um passe curto para o TE Austin Seferian-Jenkins na linha de 4 jardas do campo de ataque. Mesmo marcado por dois defensores, ele mergulha em direção ao pylon. Touchdown Jets. A reclamação por parte dos Patriots é imediata. Por regra, toda jogada de pontuação é revisada automaticamente, sem a necessidade de um desafio por parte dos técnicos. Aí começa a polêmica.

Após rever as imagens, o referee Tony Corrente anuncia que o jogador dos Jets perdeu controle da bola ao tentar cruzar o plano de gol, o que configura um fumble (claro na imagem abaixo).

Por definição, quando um fumble sai pela endzone, se configura um Touchback, e a bola vai para o adversário na sua própria linha de 20 jardas. A reclamação, porém, é de que o próprio Jenkins recuperou a bola na endzone.

O árbitro da partida Tony Corrente explica “Ele perdeu a bola enquanto ia ao chão e não terminou o processo de recuperação. Pela regra, agora ele precisa completar o processo dentro de campo”.

Pelas imagens, nota-se que o TE mergulhou em direção a endzone sem o completo controle da bola. Porém, como ele rola para a sideline, quando a bola é recuperada, o jogador já se encontra fora de campo.

A regra diz que o atleta que recupera um fumble deve obrigatoriamente ter controle da bola dentro de campo, o que não aconteceu. Logo, aplica-se a regra que diz que se uma bola viva sai pela endzone adversária, é Touchback. Regra essa que foi extremamente contestada por atletas e especialistas.

Se em um fumble, a bola sai pela lateral, ela continua com a equipe que a perdeu, no ponto em que ela sai do campo. Teoricamente, se a bola cruza o plano de gol, a mesma lógica deveria ser aplicada, mas não é o caso. Se em um fumble, a bola sai pela endzone adversária, é turnover. Bola do adversário na linha de 20 jardas.

Muitos atletas desconheciam essa regra. Após o jogo, o safety Patrick Chung disse em entrevista “bom, eu gostei dessa regra agora. Não sou eu quem faz as regras”. Outro safety, Duron Harmon, que estava envolvido na jogada disse “eu adorei, especialmente como jogador de defesa. É uma oportunidade de devolver a bola pro nosso ataque”.

Naturalmente, a reação não foi a mesma do lado dos Jets. “eu tenho certeza que todo mundo vai olhar e dizer que essa foi uma m… de chamada” disse o wide receiver Jermaine Kearse. O protagonista da jogada, Seferian-Jenkins adotou um tom mais moderado e assumiu responsabilidade, apesar de não concordar com a marcação de fumble “eu tenho que cuidar melhor da bola. Se eu tivesse segurado ela como devo, não tivesse deixado ela mover nem nada, não teríamos essa discussão”.

the author

Professor de inglês, formado em Publicidade, pós em Marketing em San Francisco, California. Torcedor desde o Super Bowl XXXVI, realizei o sonho de assistir Brady x Manning no Gillette Stadium em 2013. Atualmente, jogo de Defensive Back no Curitiba Lions.

Comentários

Top